Febre reumática aguda – tratamento (Parte 2)

Posted on

A febre reumática é uma doença multissistêmica que acomete 3% dos pacientes que desenvolvem faringite por estreptococo beta-hemolítico do grupo A (37% das faringites são causadas por esse agente.

Estima-se que, no Brasil, ocorram cerca de 30.000 novos casos de febre reumática, sendo que 15.000 desses casos evoluem com  lesões cardíacas que podem ser irreversíveis. O tratamento da febre reumática visa: A erradicação do estreptococo é feita com a penicilina G benzatina (600.000 a 1.200.000 UI) em dose única. A febre reumática provável e a febre reumática possível devem ser reconhecidas como categorias diagnóticas, sendo realizada a profilaxia com penicilina pelo menos até a revisão do acompanhamento. Flashcards in Febre Reumatica Deck (16): A febre reumática é uma doença de grande preocupação do médico cardiologista devido a seus efeitos devastadores no aparelho valvar cardíaco. Os antibióticos podem prevenir a febre reumática aguda, se administrada não mais do que nove dias após o início dos sintomas. Descumprimento de profilaxia recomendada com BPG após febre reumática aguda diagnosticada por médico foi anotado para 22 (34%) dos 65 pacientes. Febre reumática aguda ocorre mais comumente entre crianças de 5-15 anos. Além disso, registos de doentes do hospital para a profilaxia BPG foram revisados ​​para identificar febre reumática aguda adicional e pacientes com doenças cardíacas reumáticas. Incidência aguda febre reumática (2011-2012) e prevalência de ponto cardiopatia reumática (agosto de 2013) foram calculados usando dados do US Census Bureau 2010 (pop Samoa Americana.

É baseado nos dados, nos sinais e sintomas, como: dor, edema, calor local, vermelhidão e febre.

  • erradicação do estreptococo;
  • controle dos fenômenos inflamatórios e cicatriciais;
  • controle sintomático;
  • tratamento das demais complicações da febre reumática aguda (cardite, poliartrite e coréia).

Incidência febre reumática aguda foi de 1,1 e 1,5 casos por 1.000 crianças, para 2011 e 2012, respectivamente.

De 65 crianças com febre reumática aguda diagnosticada por médico durante 2011-2012, um total de 32 (49%), posteriormente, recebeu um diagnóstico de cardiopatia reumática. Pacientes com febre reumática aguda foram predominantemente do sexo masculino (60%); idade média no momento do diagnóstico de febre reumática aguda foi de 11 anos (variação: 2-18 anos) ( Figura ). Doze (18%) pacientes tiveram o diagnóstico de faringite indicada na ficha médica durante as seis semanas anteriores febre reumática aguda ou diagnóstico de doença reumática. Febre reumática aguda, caracterizada principalmente por cardite, coreia, e poliartrite, ocorre um mínimo de 2-3 semanas após um episódio de faringite não tratada ou tratada de forma inadequada. Esta investigação destaca uma disparidade de longa data nas taxas reumática aguda e febre reumática doença cardíaca entre crianças na Samoa Americana e crianças no território continental dos Estados Unidos. Antes do declínio na incidência de febre reumática aguda nos Estados Unidos, alguns estados tinham priorizado o controle da doença estreptocócica e programas de controle de gestão. Em Samoa americana, as famílias costumam escolher remédios tradicionais mais de cuidado médico, e este estudo descobriu que alguns pacientes com febre reumática aguda teve um diagnóstico recente de faringite. Em primeiro lugar, este estudo é provavelmente afetado pelo viés de averiguação, porque ele só relata pacientes com febre reumática aguda que procuraram atendimento no hospital. Aqueles que utilizam remédios tradicionais para os sintomas da febre reumática aguda e pacientes com doença leve pode não procurar atendimento.

Febre reumática aguda – tratamento

  • Artralgia
  • Febre
  • Elevação de reagentes de fase aguda (velocidade de sedimentação e proteína C reactiva)
  • Intervalo PQ prolongado no electrocardiograma

Portanto, este relatório provavelmente subestima o número de casos de febre reumática aguda pediátrica e cardiopatia reumática em Samoa Americana.

Finalmente, os registros médicos não foram revisadas para concordância com febre reumática aguda e critérios de diagnóstico da cardiopatia reumática, afetando potencialmente a sensibilidade ea especificidade do caso apuração. Essas metas podem ser cumpridas de forma eficiente e econômica por estabelecimento de uma febre reumática aguda coordenada e programa de controle da doença reumática. Febre Reumática CRITÉRIOS MAIORES: ARTRITE CARDITE CORÉIA DE SYDENHAMERITEMA MARGINADO NÓDULOS SUBCUTÂNEOS 6 Febre Reumática CRITÉRIOS MENORES: FEBRE ARTRALGIABAV de PRIMEIRO GRAU SINAIS INFLAMATÓRIOS (VHS elevado ou PCR positiva) FEBRE REUMÁTICA PRÉVIA ou CARDIOPATIA REUMÁTICA 13 A febre reumática (FR) trata-se de poliartrite associada a cardite, afetando crianças e adultos jovens (GOLDING, 1998). A febre reumática é uma complicação de uma infecção pelo estreptococo beta hemolítico do grupo A de Lancefield, caracterizada por processos inflamatórios transitório em diversos órgãos. Na febre reumática a poliartrite tem como característica dor, tumefecação, sensibilidade e calor sendo que esses sintomas e sinais movem-se de uma articulação para a outra (THOMSON e ALISON,1994). A febre reumática Caracteriza-se por três fases: infecção da orofaringe, período de latência e doença propriamente dita FR. Apesar da diminuição da sua prevalência, a febre reumática ainda existe, e é muitas vezes esquecida no diagnóstico diferencial dos paciente com artrite, febre e cardite.

Febre reumática aguda e doença cardíaca reumática Entre Crianças – Samoa Americana, 2011-2012

[UpToDate atualização Jan 2017 , Circulation 2015] A ecocardiografia com Doppler deve ser realizada em todos os casos de febre reumática aguda confirmada e suspeita (Classe I, Nível de Evidência B ).

Dentre as possíveis sequelas tardias da febre reumática, a mais comum e grave é a sequela valvar (insuficiência mitral e/ou aórtica, sendo a primeira mais comum). [UpToDate atualização Jan 2017] Não se esqueça de que em casos de artrite, cardite, valvulopatias mitral/aórtica e coreia, a febre reumática é um diagnóstico a ser pensado. Não existe vacina contra a febre reumática nem tratamento que cure a doença já estabelecida Publicado: Quarta, 30 de Dezembro de 2015, 15h54 Embora mais comum em crianças, a febre reumática também ocorre em adultos, sendo a artrite migratória um sintoma comum de apresentação. A presença de apenas duas manifestações menores não é diagnóstico, pois o acompanhamento desses pacientes não revelou um atraso no aparecimento de febre reumática aguda. · Febre reumática recorrente em doentes com história de febre reumática ou doença reumática cardíaca. Assim, um diagnóstico presuntivo de febre reumática aguda recorrente pode ser feita com um critério maior ou dois critérios menores mesmo sem evidência de uma recente infecção estreptocócica. Os anticorpos contra antígenos dos estreptococos são mais úteis, pois seus títulos atingem o pico no momento do aparecimento da febre reumática e ele indica infecção e não colonização. Special Writing Group da Comissão da Febre Reumática, Endocardite e Doença de Kawasaki do Conselho sobre Doença Cardiovascular no jovem da Associação Americana do Coração.

Febre Reumática — Critérios de Jones Revisados

Objetivos Revisão bibliográfica de febre reumática, com enfoque no acometimento cardíaco da doença Relatar um caso observado no Hospital Regional da Asa Sul 3

Doença reumática cardíacaCARDITE REUMÁTICA Cardite reumática subclínica - alterações ao ecodoppler sem alterações ao exame físico Sopro, taquicardia, aumento da área cardíaca, ICC e pericardite: sinais clínicos 18 A febre reumática é uma doença causada inicialmente por uma infecção bacteriana (estreptococo beta hemolítico do grupo A) na região das faringes e amigdalas. A Cardite é a manifestação cardíaca da febre reumática, sendo considerada a mais temida devido a sequelas importantes. O diagnóstico é feito através dos Critérios de Jones, onde o paciente é diagnosticado como Febre Reumática se apresentar critérios clínicos presentes. Oitenta por cento das crianças com infecção de garganta pelo estreptococo apresentam elevação da ASLO, porém somente 3% delas poderão apresentar Febre Reumática. Como a febre reumática pode causar tantos sintomas diferentes, uma lista de verificação conhecidos como os “Critérios de Jones” é usado para ajudar a diagnosticar-lo. o seu médico irá usar os critérios de Jones para verificar se os sinais e sintomas fortemente associados com febre reumática. Um número de diferentes testes de sangue também pode ser utilizado para procurar sinais de febre reumática. A doença é causada por um processo autoimune após infecção por estreptococos do grupo A. Nenhum teste isolado consegue diagnosticar a febre reumática aguda.

Apresentação em tema: “FEBRE REUMÁTICA COM ENFOQUE PARA DOENÇA CARDÍACA REUMÁTICA”— Transcrição da apresentação:

As 5 principais manifestações da febre reumática aguda são cardite, artrite, coreia, eritema marginado e nódulos subcutâneos, sendo a cardite e a artrite as mais frequentes dentre essas manifestações.

Enquanto todas as demais manifestações da febre reumática aguda remitem sem sequelas, a cardite pode resultar em doença reumática cardíaca crônica. Nenhum tratamento tem sido capaz de alterar a evolução da febre reumática aguda para doença reumática cardíaca crônica. Apesar de outros grupos sorológicos de estreptococos beta-hemolíticos (por exemplo, B, C, G, e F) estarem associados a infecções de vias altas, nenhum deles pode causar Febre Reumática. Os surtos agudos de Febre Reumática podem ser diagnosticados pela evidência de infecção estreptocócica prévia e dois critérios maiores ou um maior e dois menores dos descritos abaixo. Não são patognomônicos de febre reumática, nestes casos costumam aparecer várias semanas após o início do surto e são associados a cardite crônica grave. Outros achados inespecíficos, mas freqüentemente presentes são eles: artralgia, febre, história pregressa de doença cardíaca reumática ou mesmo febre reumática, e achados laboratoriais e eletrocardiográficos. Comportamento das alterações dos valores da ASLO na evolução do surto de Febre Reumática Aguda Início – 7 a 12 dias após infecção estreptocócica DIAGNÓSTICO Atualmente, o diagnóstico de febre reumática ainda se baseia em um grupo de critérios: os critérios de Jones. Antideoxirribonuclease B – a exemplo da antiestreptolisina-O, é outro anticorpo contra produto estreptocócico, mas persiste em níveis elevados por mais tempo no soro de pacientes com febre reumática.

Quando dis-ponível, deve ser solicitado em todos os casos suspeitos de febre reumática a fim de se detectar lesões valvulares “silenciosas” 10,11 (D)12,13 (B)14 ©.

A Febre Reumática é uma doença grave que atinge 3 em cada 100 pacientes que apresentaram infecção de garganta tratada de forma inadequada e se caracteriza por dores nas juntas. É importante a realização do ecocardiograma em toda criança com suspeita da Febre Reumática, já que a lesão pode ser pequena e não aparecer no exame físico feito pelo médico. Quando há o diagnóstico de Febre Reumática, passa a ser necessário evitar que haja nova infecção, que poderia afetar ainda mais o coração da criança. Fonte: www.geocities.com A febre reumática é uma inflamação das articulações (artrite) e do coração (cardite) que se deve a uma infecção estreptocócica, habitualmente da garganta. Nesse mesmo país, a criança que tiver uma infecção estreptocócica ligeira (habitualmente inflamação de garganta) e não receber tratamento apresenta uma probabilidade de desenvolver febre reumática de 1 em 1000. A melhor maneira de prevenir a febre reumática consiste na boa nutrição e no tratamento oportuno com antibióticos de qualquer suspeita de infecção estreptocócica. Uma criança que tem febre reumática recebe uma injecção de penicilina para eliminar qualquer infecção residual. Tratamento – penicilina benzatina + corticoides O paciente apresenta quadro típico de febre reumática aguda. Em relação ao tratamento, pctes com febre reumática aguda sempre devem receber benezetacil para eliminar a bactéria deflagradora do processo. Arq Bras Cardiol.2009;93(3 supl.4):1-18 Curtir Carregando… A febre reumática aguda surge com manifestações clínicas variadas duas a quatro semanas após uma amigdalite aguda a estreptococos do grupo A. Os sinais e sintomas do doente podem ser precipitados por factores agravantes da doença cardíaca reumática, tais como infecções, fibrilhação auricular, gravidez, hipertiroidismo ou tromboembolismo pulmonar.