Reformas antecipadas por doenças reumáticas custam mais de 900 milhões por ano

Posted on

As causas variam em função das diversas doenças reumáticas.

Esta dor tenderá a variar na sua intensidade, no seu ritmo, na sua localização em função do tipo de doença reumática e essas características são importantes para o diagnóstico. A doença reumática mais frequente é a osteoartrose, que afecta tanto a cartilagem como o osso nas articulações, causando dor, rigidez e limitação dos movimentos. Este diagnóstico pode ser difícil porque os sintomas das doenças reumáticas ocorrem em várias outras doenças. Contudo, isso não significa que ser portador de uma doença reumática implique uma fonte constante de sofrimento obrigatório. É importante salientar que, quanto mais precoce for o diagnóstico, maior será a probabilidade de controlar eficazmente qualquer uma das doenças reumáticas. Este exame é útil para o acompanhamento de atividade da doença e eficiência do tratamento nas manifestações sistêmicas inflamatórias da febre reumática. A Artrite  Reumatóide soronegativa é quando as provas reumáticas são negativas, Fator  Reumatóide e/ou  Anti-CCP. O diagnóstico da AR muitas vezes  é um diagnóstico de exclusão, o médico precisa pedir vários exames, pois outras  doenças podem apresentar dor articular e edema. Para segurança no diagnóstico o  médico solicita vários exames de sangue ao mesmo tempo, nas próximas consultas  não será solicitado tantos exames.

Como apresentam se os exames complementares na artrite séptica? (Hemograma, VHS, raio x, ultrassom, cintilografia, cultura e antibiograma e punção)

  • Radiografias de mãos e punhos
  • Ultrassonografia
  • Ressonância Magnética de mãos e punhos

Durante a investigação da AR, podem ser solicitados exames para  verificar a presença de doenças infecto-contagiosas como, HIV, Hepatite, Citomegalovírus, Sífilis e demais doenças.

Nem sempre exames positivos e alterados querem dizer que estamos mais ou menos Hemograma VHS PCR TGO e TGP, Fosfatase Alcalina, são os mais usados como Prova de função hepática, para acompanhar se a medicação tem causado danos para o fígado. A maneira mais fácil de entender o significado do exame positivo é saber o que o resultado fator reumatóide positivo não significa. Fator reumatóide positivo não significa e não é “reumatismo”. Fator reumatóide positivo não significa e não é “reumatismo no sangue”. Fator reumatóide positivo não significa e não é artrite reumatóide. Fator reumatóide positivo significa apenas “presença de anticorpos contra anticorpos”. Portanto, o conhecimento científico atual sabe que fator reumatóide não causa doença e que a presença desse autoanticorpo não significa a presença obrigatória de nenhuma doença. Entretanto, o resultado fator reumatóide positivo não significa nada disso e não serve para explicar nenhum tipo de dor musculoesquelética.

LIGA PORTUGUESA CONTRA AS DOENÇAS REUMÁTICAS – ENVELHECIMENTO E DOENÇAS REUMÁTICAS

  • Forma cutânea limitada (inclui o Síndrome CREST)
  • Forma cutânea difusa

alfa-1-glicoproteína ácida : apresenta títulos elevados na fase aguda da doença, mantendo-se elevada por tempo mais prolongado.

Na eletroforese de proteína, a alfa-2-globulina se eleva precocemente na fase aguda e pode ser utilizada também para o seguimento da atividade da doença. Dentre as várias proteínas de fase aguda existentes, a proteína C reativa é uma das que mais se destaca. Qualquer doença que provoque uma reação inflamatória por parte do organismo pode cursar com níveis elevados de proteína C reativa. Hoje em dia, é comum utilizarmos tanto o hemograma quanto a PCR como exames complementares nos casos de infecção. Proteína C reativa nos casos de doenças reumáticas As doenças reumáticas e as doenças autoimunes (leia: O QUE É UMA DOENÇA AUTOIMUNE?) Proteína C reativa nos casos de câncer Ao contrário das infecções e das doenças reumáticas, a PCR não costuma ser utilizada na investigação dos pacientes com suspeita de câncer. A proteína mais importante neste processo é o fibrinogênio, uma proteína de fase aguda, cuja concentração aumenta em até 2 a 4 vezes nos processos inflamatórios agudos. Existem exames para complementar um raciocínio clínico, mostrando a existência de um processo inflamatório, infeccioso ou imunológico, cuja avaliação é feita através de provas de atividade inflamatória, imunológica e bioquímica. As provas de atividade inflamatória, também denominadas de “reações de fase aguda no soro”, são testes inespecíficos que se alteram na presença de processos inflamatórios, infecciosos ou de lesões teciduais.

Doenças reumáticas: Artrite Reumatóide

  • em 1h - até 8 mm;
  • em 2h - até 20 mm.

Nas doenças reumáticas, as maiores elevações são encontradas no lupus eritematoso sistêmico, artrites sépticas , artrites reumatóides, doença de Reiter, polimialgia, doença reumática e nas fases agudas das artrites microcristalinas.

A dosagem das mucoproteínas é importante para o diagnóstico e acompanhamento de doença reumática, pois é uma das últimas provas a se normalizar. A O Laboratório Alvaro oferece mais de 1400 tipos de exames de prevenção e tratamento. Outros exames também auxiliam no fechamento do diagnóstico, como a radiografia da mão, hemograma e provas reumáticas. Nas décadas de 40, 50 e 60, estava na moda o conceito de “atividade reumática”, que foi inicialmente desenvolvido para avaliar a atividade da doença chamada febre reumática. No coração, a “atividade da cardite reumática” se manifesta apenas pela inflamação aguda. Na febre reumática, a “atividade da febre reumática” equivale ao surto da doença, com febre, dores nas articulações, artrites, anemia, manchas de pele. Nessas condições, o médico primeiro diagnosticava a febre reumática - através da história do doente e do exame físico - e, em seguida, solicitava os exames de laboratório para avaliar a atividade. Na mesma época em que o conceito de “atividade reumática” era desenvolvido, houve uma tentativa de mudar o nome da febre reumática para “doença reumática”. Não existem “provas de atividade reumática” e os exames que alguns chamam dessa maneira não devem ser solicitados para pessoas sem sintomas.

Febre reumática aguda e doença cardíaca reumática Entre Crianças – Samoa Americana, 2011-2012

Para pessoas com dor musculo-esquelética, alguns desses exames podem ser úteis, mas raramente há motivos para solicitar todos ao mesmo tempo.

Em pessoas sem sintomas, nenhum desses exames significa doença. A dúvida gera preocupação, que gera novos exames, que geram mais preocupação, etc. Por isso não se deixe enganar pelo discurso aparentemente lógico de “exames para ver se tem reumatismo” ou qualquer outra bobagem do gênero. O que está por trás dessa nomenclatura é apenas o mito “reumatismo” mascarado na linguagem pseudo-científica das “doenças reumáticas” e das “provas de atividade reumática”. O médico também poderá utilizar exames mais novos e mais específicos, como o PCR, que costuma indicar de forma mais específica situações como infecção. A fibrose afecta, nos casos mais evoluídos, a função destes órgãos e, em casos mais graves de envolvimento pulmonar ou renal, pode ser mortal. A observação clínica e os exames complementares devem ser executados com a periodicidade que cada caso obriga, atendendo às características da doença e à intensidade da terapêutica. Proteína C Reativa (PCR)Identificada no soro de pacientes com pneumonia pneumocócica – reação de precipitação do polissacarídeo C da parede celular do pneumococo Alta sensibilidade Meia-vida curta (8-12 horas) 15 Hemograma Leucocitose Leucopenia Atividade de doença (inflamação)AIJ, Febre Reumática, Vasculites Uso de Corticóide Leucopenia LES SAM (Síndrome de Ativação Macrofágica) Drogas (Azatioprina, Metotrexate,…) 30

Fiebre reumática aguda y cardiopatía reumática crónica en odontología

A Proteína C Reativa tem vida média de 5 ¬a 7 horas e por isto seus valores caem a níveis de referência mais rapidamente que outras proteínas de fase aguda.

A detecção de PCR é um indicador mais sensível de um processo inflamatório que outras proteínas de fase aguda. A PCR encontra-se muito elevada na pielonefrite (> 100mg/L), no infarto agudo do miocárdio (± 300mg/L), fase aguda da artrite-reumatoide, febre reumática, amiloidose secundária, trombo-embolias pós-cirúrgicas. As células vermelhas sedimentam em uma taxa mais rápida na presença de um nível aumentado de proteínas, especialmente aquelas denominadas proteínas de fase aguda.